Créme de la creme

Aconteceu a uma irmã de Medusa cortar os dois pulsos com vidro e esperar assustada em frente ao espelho, Percebeu que não era sangue que lhe saía dos pulsos mas musgo, Dos pulsos lácteos nascia-lhe musgo verde e fresco, que torneava o azul das veias mais pequenas, musgo verde e fresco como das fontes de […]

Ler mais

O Sol chama-os e agora vão beber a luz de mais perto Nuno Brito

Ler mais

Vós os que não credes em bruxas, nem em almas penadas, nem em tropelias de Satanás, assentai-vos aqui ao lar, bem juntos ao pé de mim, e contar-vos-ei a história de D. Diogo Lopes, senhor de Biscaia. E não me digam no fim: – “não pode ser.” – Pois eu sei cá inventar coisas destas? […]

Ler mais

Casados há 3 meses, os Audony, de Nantes, suicidaram-se com láudano, arsénico e revólver (Desp. part.)

Ler mais

Iniciamos assim a nossa colecção de Clássicos ilustrados. E começamos com Eça de Queiroz e com os Maias. A novidade aqui parece dificil, mas ela acontece. Acontece no traço da caneta do arquiteto Rui Campos Matos que arriscou fazer uma antologia sobre um clássico intemporal. O critério aqui teve a ver com a importância dada […]

Ler mais

Eça dá nesta obra, suprema expressão literária ao conflito que sempre o opôs ao seu país, ao seu atraso endémico em todos os sectores, à mediocridade da sua classe dirigente, à sua incapacidade de o fazer progredir. Por isso faz movimentar magistralmente, caricaturando-os, aristocratas, ministros ignaros, jornalistas de baixo gabarito, diplomatas ridículos, poetas românticos retrógrados […]

Ler mais

Quer nos relatórios burocráticos que escrevia, quer nos seus artigos, era senhor de uma escrita «castigada», como dizem os franceses, concisa, elíptica e refinada. Nunca foi homem de muitas palavras, mas as que escolhia, escolhi- as sempre rigorosas, surpreendentes e sublimadas. Homem do contra, também o era na política: militava nos círculos anar- quistas mantendo […]

Ler mais